Arquivo da tag: #BrasilColônia

O papa jesuíta.

OS JESUÍTAS NO BRASIL

“Habemus Papam.” Fumaça branca no céu romano, na tarde de 13 de março indicam que a Igreja Católica tem seu novo guia espiritual e chefe político. Francisco, foi o nome escolhido pelo cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, indicado por seus pares como o novo pontífice do catolicismo. O que chamou atenção na escolha de Bergoglio foi sua ordem religiosa de origem, a Companhia de Jesus. Francisco, será o primeiro Papa jesuíta.

A Companhia de Jesus surgiu no século XVI, no contesto das Reformas Religiosas. Fundada por Santo Inágcio de Loyola, mas precisamente no ano de 1534 e reconhecida pelo Papa Paulo III em 15440. Os jesuítas são conhecidos como os soldados de Cristo, e caracterizaram-se na Era Moderna pela conversão das populações do Novo Mundo, como os ameríndios, ao catolicismo. A ação dos jesuítas seguia alguns modelos: fundavam vilas nas terras dos impérios português e espanhol, a partir da construção de um colégio, onde as populações seriam educadas dentro dos princípios católicos ou; em regiões mais inóspitas, instituíam as missões, aldeamentos católicos, que atraíam as populações nativas, ameaçadas pela escravização, obrigadas, nas missões, a converterem-se ao catolicismo, adotando o modo de vida europeu.  No Brasil, os jesuítas tiveram importante papel na ocupação de São Paulo, fundada a partir de um colégio jesuíta e da região sul, com as missões. José de Anchieta e Manoel da Nóbrega destacaram-se nos primeiros anos, enquanto o padre Antonio Viera ficou famoso por seus sermões no século XVIII.

Papa Francisco

Hoje a Companhia de Jesus é a maior ordem religiosa católica do planeta e a escolha de um membro seu para o papado neste momento indica a  necessidade de a Igreja Católica em promover uma nova missão civilizadora em busca de novos fies para conter o avanço do protestantismo e de outras religiões.


TIRADENTES.

Tiradentes é hoje considerado um herói nacional, talvez o mais aclamado dos mitos nacionais.

No entanto, não foi sempre assim. Tiradentes participou da Inconfidência Mineira, movimento de protesto contra a colonização portuguesa. Os inconfidentes, em sua maioria grandes lavradores de ouro, contestavam a pesada taxação de impostos e desejavam a anistia de suas dívidas, com a Monarquia.  Traídos por um companheiro de Inconfidência, o movimento foi debelado antes mesmo de ser posto em prática. Seus líderes foram presos e deportados, em sua maioria homens ricos de Vila Rica (Ouro Preto). O único condenado a morte foi Tiradentes, oriundo das classes médias. Sua pena serviu como exemplo para todos, de que qualquer contestação a Metrópole poderia sofrer a pena capital.

Tiradentes, sem os traços de Jesus Cristo.

Durante o fim do Período Colonial e por todo o Período Imperial a figura de Tiradentes ficou esquecida. Com a Proclamação da República, em 1889, foi preciso criar uma mitologia fundadora da nação brasileira, então, resgatou-se a figura de Tiradentes, atribuindo-lhe uma aura de libertador nacional e feições próximas a de Jesus, já que a República, que havia superado a Monarquia brasileira, não tinha interesse em mitificar os responsáveis pela Independência, já que eles eram integrantes da Monarquia derrotada pela República.


MISSÕES JESUÍTICAS.

Ruínas de São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul.

 

A FUNDAÇÃO DA COMPANHIA JESUS.

A Companhia de Jesus foi fundada em 1534 no contexto da Contra-Reforma como uma das medidas para conter o avanço do Protestantismo. Seu fundador foi o espanhol Inácio de Loyola, que após ferir-se em uma batalha converteu-se totalmente à vida cristã.

A missão dos Jesuítas era difundir o Evangelho pelo mundo. A Educação foi um dos instrumentos fundamentais desta pregação. Muitos colégios jesuítas doram fundados na Europa e na América para cristianizar os povos e formá-los na doutrina católica.

 

OS JESUÍTAS EM PORTUGAL E NO BRASIL.

Os jesuítas passaram a atuar nos empreendimentos coloniais portugueses como missionários evangelizadores. Vários jesuítas vieram ao Brasil, os mais famosos foram os padres José de Anchieta e Manoel da Nóbrega, com o objetivo de converter as populações indígenas.

Os primeiros colégios jesuítas foram fundados na Bahia e em São Vicente. Os jesuítas ensinavam retórica, humanidades, gramática, mas utilizavam principalmente a música e o teatro na evangelização dos indígenas.

AS MISSÕES JESUÍTICAS.

Para catequizar os indígenas os jesuítas organizaram em várias partes da América do Sul aldeamentos chamados “missões”. o objetivo dessa ação era transformar completamente o modo de vida dos indígenas, fazendo-os abandonar o politeísmo, a poligâmia e o antropofagismo, além de desvalorizar as funções dos pajés (líderes espirituais).

A porção sul do sub-continente e a região amazônica foram as que receberam a maior parte das missões jesuítas.

A organização interna das “missões” assemelhava-se a militar pela rígida disciplina e pela imposição do modo de vida católico aos indígenas. Os índios praticavam o artesanato, agricultura e a criação de animais. Quanto a catequização dos indígenas a música exerceu papel importante neste processo.


BANDEIRANTISMO.

Quadro "O Bandeirante" de Benedito Calixto

Os séculos XVII e XVIII ficaram marcados no Brasil Colonial pela expansão territorial. Os principais responsáveis por essa expansão foram os Bandeirantes paulistas. Marginalizados econômicamente durante o ciclo da cana-de-açúcar, a região de São Paulo era pobre e dependia de uma agricultura de subsistência e do trabalho escravo indígena.

Pela experiência que tinham no interior da colônia, devido as expedições de aprisionamento de indígenas, os Bandeirantes paulistas tornaram-se a esperança da Coroa Portuguesa para encontrar reservas de metais preciosos.

 

BANDEIRAS.

Eram expedições particulares organizadas pelos paulistas que percorriam o interior do Brasil. Essas viagens duravam meses, as vezes até anos, e contavam com centenas de participantes.

As viagens partiam da cidade de São Paulo de Piratininga, no início do Planalto Brasileiro e percorria o interior utilizando trilhas indígenas e ps rios da bacia platina, como o Tietê, Paraíba do Sul e Piracicaba.

O nome Bandeiras, vem de uma tradição indígena de carregar uma bandeira a frente da expedição.

 

ENTRADAS.

Eram expedições organizadas e financiadas por Portugal, para explorar o interior da Colônia, manter os indígenas afastados da região produtora de cana-de-açúcar e procurar metais preciosos.

 

CONSEQUÊNCIAS DO BANDEIRANTISMO.

As expedições Bandeirantes tiveram como consequências a expansão territorial da Colônia, que avançou sobre o interior do Brasil.

Além disso, no fim do século XVII foi em uma expedição Bandeirante que se descobriram as reservas de ouro da região das Minas Gerais.

As vias utilizadas pelos Bandeirantes passaram a ligar as várias regiões da Colônia, promovendo a interligação regional da Colônia.


O COMEÇO DO CARNAVAL NO BRASIL.

O Entrudo, em gravura de Debret

 

O Carnaval chegou ao Brasil através dos portugueses, que como todo país de tradição Católica tinha seus festejos populares pré-quaresma.

Zé Pereira no Rio antigo

A manifestação proto-carnavalesca mais popular nos períodos Colonial e Monárquico foi o ENTRUDO, que consistia em uma brincadeira violenta e suja, onde os foliões atiravam de tudo uns nos outros. Atiravam baldes de água, vinagre, vinho, limões de cheiro (bisnagas contendo diversos líquidos) que sujavam e estragavam as roupas das pessoas. No século XX, para substituir a sujeira foi introduzido no Carnaval confete e serpentina.

Outra brincadeira popular no século XIX no Brasil foi o ZÉ PEREIRA, que pode ser considerado o precursor dos blocos carnavalescos de rua. A brincadeira do Zé Pereira consistia em desfiles pelas ruas de foliões, conduzindo um boneco e com instrumentos de percussão, inicialmente a zabumba, depois introduzido os tamborins, pandeiros, e reco-recos. O mote dos desfiles era homenagear personagens populares, reais ou imaginários. Foi uma brincadeira muito popular no Rio de Janeiro.

 


CAUSAS DA EXPANSÃO DA AMÉRICA PORTUGUESA.

Durante os primeiros séculos de colonização portuguesa na América a ocupação do território restringiu-se a faixa litorânea. Limitada pelo Tratado de Tordesilhas a presença portuguesa na América só vai transpor os limites do litoral por uma composição de fatores:

  • União Ibérica 1580-1640: durante os 60 anos de união política entre Portugal e Espanha o Tratado de Tordesilhas não fazia sentido, e as colônias ibéricas na América tornaram-se um só território contínuo.
  • Baixa do valor do açúcar: a cultura do açúcar era propícia ao clima e solo litorâneo, enquanto era uma atividade rentável não havia necessidade de ocupação do interior. No entanto, com a baixa do valor do açúcar brasileiro, devido a concorrência do açúcar das Antilhas, Portugal necessitava de um novo empreendimento econômico.

    Engenho de cana de açúcar, gravura de Debret

  • Crise econômica portuguesa: a economia portugesa dependia dos produtos colonias. Com a perda do valor do açúcar do Brasil o Estado português passou a ter dificuldades de manter o seu custeio. Portugal tinha um alto gasto com a importação de alimentos, em especial cereais, alto gasto com uma numerosa burocracia e uma nobreza parasitária.